Ampliado NOVO prazo para entrega das submissões Revista ARA FAUUSP n.12 para 10/05/2022

 

 

Artes: outros modos de produção e recepção?


(…) Tratava-se do pressentimento de que o pensamento humano, mudando de forma, mudaria de modo de expressão; a idéia capital de cada geração não se escreveria mais no mesmo suporte e nem da mesma maneira, e o livro de pedra, tão sólido e tão durável, cederia vez ao livro de papel, ainda mais sólido e mais durável. Assim sendo, a vaga fórmula do arquidiácono escondia um segundo sentido; ela significava que uma arte destronaria outra. O que a frase queria dizer era: a imprensa matará a arquitetura. Victor Hugo,(1830) 2013, p.189

Na maré de incertezas e inseguranças quanto ao presente e carência de perspectivas para o futuro, reencontramos nas mais diversas linguagens da arte meios de sobreviver, acalmar nossos espíritos, alimentar esperanças e expandir indignação perante infinitude de perversidades. Por meio da música, da literatura, das artes cênicas e do cinema, das produções audiovisuais independentes e documentários, das artes plásticas, gráficas e visuais, somos acalentados ou provocados pela sensibilidade artística. As artes nos vestem de possíveis sonhos para imaginar o apaziguamento climático, a recomposição dos biomas naturais, o reverdecer dos povos originários e das minorias étnicas, femininas, sociais e políticas em distribuição mais justa do alimento e das condições de vida, para algo mais que a tenaz luta hodierna pela sobrevivência. Doses de humanidade poderiam cair como chuva torrencial, além de molhar nosso planeta com solidariedade, bondade e alteridades geopolíticas. A promessa da revolução digital se mostra cada vez mais avessa à democratização da informação, assistimos atônitos à enxurrada de mentiras, inversãodefatos,ódioedesinformação.Aesperadadosedehumanidadenãocaidocéufeitochuva, mas nasce da pele e brota pelo suor, nos poros do esforço e no embate por existir e resistir, respiramos e exalamos arte, sensibilidades belas ou sofrimentos, melodias em palavras, gestos ritmados a pensar e instaurar lugar no mundo. Enfrentamos o atual dilema: o digital matará o humano? A revista ARA convida todos a pensar em outros modos de produção e recepção da arte, e por meio desta chamada indagativa, reaviva debates acerca das linguagens, perguntamos em coro: o que está acontecendo no modo do fazer artístico? Quais são os outros modos de produção do universo digital? É possível se emocionar assistindo a uma peça teatral online? Há alguma novidade em feituras manuais e processos criativos? E sobre observar, escutar e fruir? A recepção mudou? O aqui e agora da obra de arte, por mais perfeita que seja sua reprodução, disse Walter Benjamin, encerra sua autenticidade, porém, também a liberta do domínio de sua tradição. A existência em massa, da qual o autor, amplia sua recepção e “atualiza o objeto reproduzido”. (BENJAMIN, (1935-38) 2017, p.15) Se em meados da década de 1930 o cinema era o agente poderoso em voga, hoje estaríamos diante de outro meio, seria possível pensar a produção e a recepção digital? Deste processo intensamente vivenciado nos períodos de isolamento social em meio a pandemia, nos anos de 2020 e 2021, do que se trata ao acompanhar um espetáculo teatral online do sofá de casa, visitar uma exposição ou participar de um show ao vivo ou no vocábulo atual, às populares Lives mediadas porumatela?Megas e terabytes são capazes de nos emocionar? Qual espaço percorremos sem caminhar e sem movimentar nossos corpos ao visualizar pinturas e esculturas por meio de um tour virtual em uma maquete eletrônica?
Nesse mar de manifestações transmitidas por telas, a exclusão daqueles menos favorecidos se escancara. Para acesso aos inúmeros eventos é preciso rede de dados veloz sem intermitência e computadores, celulares ou tablets atualizados. Dados de pesquisas recentes1 apontam que a falta de conexão está diretamente ligada à renda, tanto pelo acesso a dados e banda larga, como celulares mais robustos e até mesmo computadores. Assim, perguntamos se a dimensão emancipadora da arte estaria se ampliando ou restringindo com a propagação online das manifestações artísticas. E a produção? Se “tudo o que era diretamente vivido se esvai na fumaça da representação”, estaríamos diante de um paradigma do qual Guy Debord já anunciou passado meio século, o espetáculo como movimento autônomo do não-vivo, como a relação social entre pessoas mediadas por imagens. Se o espetáculo é o modo de produção, estaríamos chegando ao ponto em que a relação se faz somente entre imagens que intermediam pessoas? Enquanto transforma-se os modos de existência das sociedades os modos de percepção acompanham tais alterações e enfim, o que se agrega e o que se perde com outros modos de produção e recepção? Quem está inserido e quem está excluído? Uma das principais contribuições da teoria estética da recepção, pelo crítico literário alemão Hans Robert Jauss, é a ênfase de que obras de arte só existem dentro da moldura, configuradas pela recepção, ou seja, pelas interpretações que deles foram feitas ao longo da história. Esta recepção é uma fórmula aberta entre a correção e a formulação de nossas experiências. Sua estética acentua de forma particular a historicidade e o caráter público da arte ao colocar em seu centro o sujeito que percebe e o contexto em que as obras são recebidas. Se em meados do século XIX a imprensa atemorizou outras formas de ler o mundo, o mundo digital incita outros modos de produção e recepção das artes? A Revista ARA convida a comunidade acadêmica, entre alunos e docentes, colaboradores e estudiosos, a pensar sobre os outros modos de produção e recepção das artes, tendo em vista o entendimento amplo da arte para as mais variadas e diversas linguagens e suportes, da música ao cinema, do teatro às artes plásticas, da literatura e poesia às artes públicas e urbanas, da performance à dança. Indaga sobre as diferenças aceleradas ao acesso dos canais e meios digitais, estaríamos ampliando as exclusões perante obstáculos financeiros para acionar dados e conexão de internet em boas condições? Ampliamos o fosso das desigualdades perante as promessas digitais e vivenciamos abismos sociais causados pela exclusão sócio digital? Como é possível ler essas transformações em meio ao bombardeio de dados que nos acomete diariamente? Ações participativas, ativação em comunidades seriam caminhos para atenuar abismos e fronteiras sensíveis?


amanda saba ruggiero


BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era da reprodutibilidade técnica. in Walter BenjaminEstética e sociologiada arte.Trad. João Barreto. Belo Horizonte: Autêntica,2017. DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: contraponto, 1997. HUGO, Victor. O corcunda de Notre Dame. trad. Jorge Bastos. Rio de Janeiro: Zahar.2013. JAUSS, Hans Robert.Pequeña apología de la experienciaestética.Trad. Daniel Innerarity. Barcelona: Paidós,2002.


1 Estudo realizado pela PwC e o Instituto Locomotiva, e TIC Domicílios realizada pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil, publicados em 13 de set. de 2021 em matéria do Jornal Estado de S.Paulo, no caderno “Economia e Negócios”.

CHAMADA aberta para REVISTA ARA 12 • Artes: outros modos de produção e recepção?

A equipe da revista ARA e seu conselho editorial convida todos a participar da 12ª edição ARA YMà Outono + Inverno 2022 , enviando artigos e ensaios sob o tema:

Artes: outros modos de produção e recepção?

por amanda saba ruggiero

 

(…) Tratava-se do pressentimento de que o pensamento humano, mudando de forma, mudaria de modo de expressão; a idéia capital de cada geração não se escreveria mais no mesmo suporte e nem da mesma maneira, e o livro de pedra, tão sólido e tão durável, cederia vez ao livro de papel, ainda mais sólido e mais durável. Assim sendo, a vaga fórmula do arquidiácono escondia um segundo sentido; ela significava que uma arte destronaria outra. O que a frase queria dizer era: a imprensa matará a arquitetura.

 Victor Hugo,(1830) 2013, p.189

Na maré de incertezas e inseguranças quanto ao presente e carência de perspectivas para o futuro, reencontramos nas mais diversas linguagens da arte meios de sobreviver, acalmar nossos espíritos,  alimentar esperanças e expandir indignação perante infinitude de perversidades. Por meio da música, da literatura, das artes cênicas e do cinema, das produções audiovisuais independentes e documentários, das artes plásticas, gráficas e visuais, somos acalentados ou provocados pela sensibilidade artística. 

As artes nos vestem de possíveis sonhos para imaginar o apaziguamento climático, a recomposição dos biomas naturais, o reverdecer dos povos originários e das minorias étnicas, femininas, sociais e políticas em distribuição mais justa do alimento e das condições de vida, para algo mais que a tenaz luta hodierna pela sobrevivência. 

Doses de humanidade poderiam cair como chuva torrencial, além de molhar nosso planeta com solidariedade, bondade e alteridades geopolíticas. A promessa da revolução digital se mostra cada vez mais avessa à democratização da informação, assistimos atônitos à enxurrada de mentiras, inversão de fatos, ódio e desinformação. A esperada dose de humanidade não cai do céu feito chuva, mas nasce da pele e brota pelo suor, nos poros do esforço e no embate por existir e resistir, respiramos e exalamos arte, sensibilidades belas ou sofrimentos, melodias em palavras, gestos ritmados a pensar e instaurar lugar no mundo. Enfrentamos o atual dilema: o digital matará o humano? 

A revista ARA convida todos a pensar em outros modos de produção e recepção da arte, e por meio desta chamada indagativa, reaviva debates acerca das linguagens, perguntamos em coro: o que está acontecendo no modo do fazer artístico? Quais são os outros modos de produção do universo digital? É possível se emocionar assistindo a uma peça teatral online? Há alguma novidade em feituras manuais e processos criativos? E sobre observar, escutar e fruir? A recepção mudou? 

O aqui e agora da obra de arte, por mais perfeita que seja sua reprodução, disse Walter Benjamin, encerra sua autenticidade, porém, também a liberta do domínio de sua tradição. A existência em massa, da qual o autor, amplia sua recepção e “atualiza o objeto reproduzido”. (BENJAMIN, (1935-38) 2017, p.15) Se em meados da década de 1930 o cinema era o agente poderoso em voga, hoje estaríamos diante de outro meio, seria possível pensar a produção e a recepção digital? Deste processo intensamente vivenciado nos períodos de isolamento social em meio a pandemia,  nos anos de 2020 e 2021, do que se trata ao acompanhar um espetáculo teatral online do sofá de casa, visitar uma exposição ou participar de um show ao vivo ou no vocábulo atual, às populares Lives mediadas por uma tela? Megas e terabytes são capazes de nos emocionar? Qual espaço percorremos sem caminhar e sem movimentar nossos corpos ao visualizar pinturas e esculturas por meio de um tour virtual em uma maquete eletrônica? 

Nesse mar de manifestações transmitidas por telas, a exclusão daqueles menos favorecidos se escancara. Para acesso aos inúmeros eventos é preciso rede de dados veloz sem intermitência e computadores, celulares ou tablets atualizados. Dados de pesquisas recentes apontam que a falta de conexão está diretamente ligada à renda, tanto pelo acesso a dados e banda larga, como celulares mais robustos e até mesmo computadores. Assim, perguntamos se a dimensão emancipadora da arte estaria se ampliando ou restringindo com a propagação online das manifestações artísticas. E a produção? 

Se “tudo o que era diretamente vivido se esvai na fumaça da representação”, estaríamos diante de um paradigma do qual Guy Debord já anunciou passado meio século, o espetáculo como  movimento autônomo do não-vivo, como a relação social entre pessoas mediadas por imagens. Se o espetáculo é o modo de produção, estaríamos chegando ao ponto em que a relação se faz somente entre imagens que intermediam pessoas? Enquanto transforma-se os modos de existência das sociedades os modos de percepção acompanham tais alterações e enfim, o que se agrega e o que se perde com outros modos de produção e recepção? Quem está inserido e quem está excluído?

Uma das principais contribuições da teoria estética da recepção, pelo crítico literário alemão Hans Robert Jauss, é a ênfase de que obras de arte só existem dentro da moldura, configuradas pela recepção, ou seja, pelas interpretações que deles foram feitas ao longo da história. Esta recepção é uma fórmula aberta  entre a correção e a formulação de nossas experiências. Sua estética acentua de forma particular a historicidade e o caráter público da arte ao colocar em seu centro o sujeito que percebe e o contexto em que as obras são recebidas. Se em meados do século XIX a imprensa atemorizou outras formas de ler o mundo, o mundo digital incita outros modos de produção e recepção das artes? 

A Revista ARA convida a comunidade acadêmica, entre alunos e docentes, colaboradores e estudiosos, a pensar sobre os outros modos de produção e recepção das artes, tendo em vista o entendimento amplo da arte para as mais variadas e diversas linguagens e suportes, da música ao cinema, do teatro às artes plásticas, da literatura e poesia às artes públicas e urbanas, da performance à dança. Indaga sobre as diferenças aceleradas ao acesso dos canais e meios digitais, estaríamos ampliando as exclusões perante obstáculos financeiros para acionar dados e conexão de internet em boas condições? Ampliamos o fosso das desigualdades perante as promessas digitais e vivenciamos abismos sociais causados pela exclusão sociodigital? Como é possível ler essas transformações em meio ao bombardeio de dados que nos acomete diariamente? Ações participativas, ativação em comunidades seriam caminhos para atenuar abismos e fronteiras sensíveis?  

 

 

 1. Estudo realizado pela PwC e o Instituto Locomotiva, e TIC Domicílios realizada pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil, publicados em 13 de set. de 2021 em matéria do Jornal Estado de S.Paulo, no caderno “Economia e Negócios”.

Referências 

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era da reprodutibilidade técnica. in Walter Benjamin Estética e sociologia da arte.Trad. João Barreto. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: contraponto, 1997.

HUGO, Victor. O corcunda de Notre Dame. trad. Jorge Bastos. Rio de Janeiro: Zahar.2013.

JAUSS, Hans Robert. Pequeña apología de la experiencia estética.Trad. Daniel Innerarity. Barcelona: Paidós, 2002.

 

Revista ARA 11 PYAU • Outro ato. Em direção ao caminho inverso primavera + verão 2021

Está disponível, para acesso gratuito a Revista ARA 11 PYAU •  Outro ato. Em direção ao caminho inverso Primavera + Verão 2021 

É com grande satisfação que apresentamos o número 11 da Revista ARA FAUUSP. Mais uma edição, agora envolta em múltiplos significados devido às circunstâncias insólitas que todos enfrentamos. O fundamento desta empreitada realizar uma revista acadêmica voltada à cultura artística é capturar as sensibilidades possíveis que assomam na realidade presente. Assim, o insólito nos encalça duplamente: a produção prática da edição, submetida às dificuldades das ausências; e o espírito do tempo … este que parece ter dado um piparote em nossas consciências já bastante aturdidas. A finalização de mais um número da Revista ARA FAUUSP resume a tática de manter posições, cuidar do imediato fortalecendo -o – aguardando novas pistas da conjuntura. E assim, ir “caminhando em direção ao caminho inverso”, como sugere a chamada para este número, inspirada em Clarice Lispector. Confira editorial completo de Luiz Recaman neste link

Acesse a revista completa AQUI.

Acesse o experiente da Revista ARA 11 

Para todas as edições da Revista ARA, acesse o portal de revistas da USP em:

https://www.revistas.usp.br/revistaara/index

 

REVISTA ARA 11 – Em breve lançamento

Em breve será lançada a edição da Revista ARA 11  com o tema  “Outro ato: em direção ao caminho inverso”, que em parte homenageia Clarice Lispector, em seu centenário. Excerto publicado inicialmente em 1962 na revista Senhor mantém atualidade, neste período em que se almejam transformações. Uma vez mais ARA busca estimular reflexões sobre a cultura contemporânea.

AGUARDEM chamada para edição ARA 12 !

 

 

NOVO PRAZO para submissão artigos ARA 11 – 02 agosto de 2021

Em função da mudança no Calendário Escolar, ante a crise epidêmica, o Conselho Editorial da Revista ARA ampliou prazo para submissão de artigos, resenhas e ensaios para dia 02 de Agosto de 2021.

O tema para as submissões da Revista ARA FAU USP 11: “Outro ato: em direção ao caminho inverso”, em diálogo com trecho de Clarice Lispector. Visa convidar para participar de debates culturais, ativos neste momento e em múltiplas formas. Neste início de 2021, promessas e perguntas ocorrem em cena nebulosa. Sobram incertezas, pois respostas a cada instante são alteradas. Certas decisões escancararam ausência de políticas públicas, dissimulação e ocultação de limites. Em nome da ciência, despontam narrativas e teatralizações sobre dados, para convencer de que a situação pandêmica está controlada, em várias mídias. No entanto, a cultura em geral busca espaços, desvios, saídas, para se expressar via telinhas.

 

OUTRO ATO

Apresentação

” […] estou enfim caminhando em direção ao caminho inverso. Caminho em direção à destruição do que construí, caminho para a despersonalização” (Clarice Lispector,1998, p.173).

O tema proposto para a edição número 11 da revista ARA FAU USP, em parte homenageia Clarice Lispector, em seu centenário, daí o explicativo no título – “Outro ato: em direção ao caminho inverso” -. Excerto publicado inicialmente em 1962 na revista Senhor mantém atualidade, neste período em que se almejam transformações. Uma vez mais ARA busca estimular reflexões sobre a cultura contemporânea. A palavra ara em tupi-guarani refere-se a tempo em seu aspecto circular, ligado à natureza. Urge se opor a certa tendência focada em destruí-la. Entende-se que este elo fulcral vem sendo expresso em muitas áreas, a citar, história, artes, cultura, antropologia, filosofia, entre outras, sendo um convite transdisciplinar.

Vivencia-se um enclave em vários aspectos e com distintas interpretações, não raro ainda polarizadas, repetindo-se tantas outras que geraram fosso indesejável, tanto entre humanos, quanto destes com a natureza. Ainda assim, uma convergência reside no desejo em se alterar este período, seguindo em caminho inverso. Existem os que inquirem se a humanidade sairá melhor, após os embates relativos à Covid 19, mal causado pelo SARS-COV-2, chamado coronavírus. Decorrem de pavor e perplexidade, ante tantas vidas humanas perdidas. Igualmente há pessoas sensíveis sobre males sociais, educacionais, culturais e em esferas como habitação, trabalho, esportes, política dentro e fora do país.

Selecionou-se trecho escrito por Clarice Lispector, na revista Senhor, nomeado por “Em direção ao caminho inverso”, datada de três anos após o início da publicação (1962). A sugestão foi lembrada pelo conselheiro da revista ARA FAU USP, Celso Favaretto, após o GMP (Grupo Museu/ Patrimônio FAU USP), debater conceitos voltados ao par ato e potência, em trabalho de trocas, sempre muito proveitoso.

O presente tema invoca formular saber inédito e reflexões, em submissões por palavras e/ou imagens e movimento, fatores considerados essenciais e indispensáveis nesta revista universitária.     Vale esclarecer e reiterar: 1. o conteúdo não pode ter sido antes exibido pela autoria na íntegra e exatamente igual; ou seja, deve ser inédito, ainda em se tratando de obra do autor da Submissão; 2. importante creditar o trabalho usado de outros em várias linguagens, seja por palavras ou imagem; 3. o envio deve ser acompanhado de autorização do direito autoral firmado por todas as instâncias detentoras de imagens, tanto o artista, ou seus descentes quanto instituição a que pertence a obra; 4. caso haja mais de um autor da Submissão, justificar essa exceção.

O termo Ato emerge de ampla tradição, já na filosofia grega, ou no teatro, em particular aponta às cenas vivenciadas desde 2019 e ainda latentes neste início de 2021, transmitidas diariamente por variadas mídias, na vã ilusão de nos convencer de que tudo está sob controle. Promessas de soluções científicas entram em cena, sendo escaladas, na ilusão de recuperar certezas, esquecendo-se que estas também gravitam em hipóteses, experiências, dúvidas, intuição e razão.

Embates e desconforto contribuíram para que mitos estejam em franco descrédito, algo positivo legado pela pandemia, a gerar indagações sobre o futuro próximo. Reitere-se que práticas em presença foram oportunamente banidas em setores prioritários, mas deu-se o contrário no consumo em geral. Por outro lado, multidões viram-se obrigadas a sair para trabalhar, ou estão em situação de rua, enquanto nós outros, realizamos fazeres em casa por meio de várias telinhas e longe do espaço urbano, esvaziado e segregado.

Lispector em entrevistas revelou que ao criar o livro, “A paixão segundo G.H.” achava-se também em crise, porém no âmbito pessoal. Assim aborda a despersonalização como liberação de aspectos individuais inúteis, parecendo naturalizados, tanto que se está apegada. Ao se livrar de algumas prisões, na volta ao mínimo, cada um ainda pode se identificar como Ser, de maneira visivelmente reconhecível. A centenária escritora afirma no texto referido:

A despersonalização como a destituição do individual inútil – a perda de tudo o que se possa perder e, ainda assim, ser. Pouco a pouco tirar de si, com um esforço tão atento que não se sente a dor, tirar de si, como quem se livra da própria pele, as características. (1962, p.20).

O trecho citado comporá o livro “A paixão segundo G.H.”, um dos mais intrigantes e que sairá editado dois anos depois (1964). Em síntese, desenha e dá fala a uma escultora, nomeada apenas pelas iniciais e residente em elegante apartamento de cobertura. Após a saída da empregada dispõe-se a organizar, arrumar, enfim formatar à sua maneira o espaço doméstico para reintegrá-lo à própria direção. Dentro de linguagem exponencial, enquadra visualidade, reflexão, tempo e espaço de forma poética, com rimas e repetições enfáticas.

Lispector no romance cria imagens em contrastes, entre a artista e a trabalhadora: escultora, única personagem em presença; fala em primeira pessoa; reside em amplo espaço, povoado por objetos; veste robe branco; desfruta de liberdade e em sua atividade laboral, capacitando-a a discorrer sobre a linguagem. Já a empregada aparece em ausência física; realiza árduo trabalho, inviabiliza-se em desejos, enigmas e razões; viveu em micro espaço, agora vazio; descreve-a, como negra, vestida de negro; confinada, sem diálogo ou trocas, fatores reveladores de mais um entre os vários fossos sociais.

Expressa o lado preconceituoso da personagem G.H., como fará depois com Macabea em “A hora da estrela” (1977), outra dessas figuras com invisibilidade social e vida precarizada. Neste classifica sua principal ajudante, como incompetente para a vida (Lispector, 1999, p.24). No texto em exame, ao se dirigir ao quarto da trabalhadora, espécie de avesso da casa, antevê o que acharia na área antes ocupada por Janair. Seria uma alusão a Jano, divindade com duas cabeças, guardião romano? Ela faria esse ato protetor?

G.H. pensa, por certo haverá desorganização, material empilhado, vermelho desbotado em manchas no colchão roto, restos de vida, indícios de outra classe social, pedaços de luta, solidão e abandono. Esta situação contrasta com o que perseguia, ou seja, obsessão por beleza, higiene e ordem. Entretanto, ao adentrar no recinto, surpresas: reinam aparente vazio e limpeza, como escreve, quase hospitalar. Observa apenas suas próprias malas com as iniciais misteriosas e certa claridade, a incidir no espaço, quase imaculado. Ao visualizar o armário, sobressalto – um inseto refugiara-se ali. Desde este instante, sucede-se uma série de interações com a alteridade, em campos, a abranger simbólico, psíquico, social, político, uma viagem às próprias vísceras, algo mágico, a arrebatar o leitor.

Tenta fugir e ao mexer na porta, nova perplexidade, defronta-se com três vultos desenhados a carvão, na parede, que ensejam questões sobre o fazer artístico. Vale sublinhar que Lispector sempre surpreende e introduz o inesperado, o imprevisível, o não mimético. Após inusitadas experiências, próprias da linguagem na cultura artística, em dado momento, desfaz-se de coisas, denominadas inúteis, parecendo espelhar o contorno nu das figuras desenhadas – ou designadas- naquele quarto. Por meio do olhar, G.H. se apossa de detalhes, antes invisíveis, embora em seu cotidiano. Menciona então a existência de um terceiro apoio, quem sabe mais uma perna, que travaria sua caminhada, mas, por outro lado traria maior equilíbrio.

Perdi alguma coisa que me era essencial, e que já não me é mais. Não me é necessária, assim como se eu tivesse perdido uma terceira perna que até então me impossibilitava de andar, mas que fazia de mim um tripé estável […]. Sei que somente com duas pernas é que posso caminhar. Mas a ausência inútil da terceira me faz tanta falta e me assusta, era ela que fazia de mim uma coisa encontrável por mim mesma, e sem sequer precisar me procurar. (LISPECTOR, 1998, p.11-12).

A linguagem que propicia emergir seu lado natureza, a par de invisível, indizível e o insólito se constata, em inúmeros períodos e criadores, cito Konrad Fiedler[1] no Século XIX. “O que faz a natureza visível se converter em arte, sem deixar de ser natureza, é o desenvolvimento que, em favor de sua visibilidade, se realiza a atividade artística”. (1987, p.66.Trad. A.). A arte de Lispector caminha entre o dizível e seu oposto, a permear sua linguagem, referenciando-se também na cultura judaico-cristã, ou seja, ao se nomear, não se esquece o ausente. Note-se também o uso de travessões, no início e final do livro provavelmente ênfases.

Eu tenho à medida que designo__ e este é o esplendor de se ter uma linguagem. Mas eu tenho muito mais à medida que não consigo designar. A realidade é a matéria-prima, a linguagem é o modo como vou buscá-la __ e como não acho. Mas é do buscar e não achar que nasce o que eu não conhecia, e que insistentemente reconheço. A linguagem é o meu esforço humano. Por destino tenho que ir buscar e por destino volto com as mãos vazias. Mas __ volto com o indizível. O indizível só me poderá ser dado através do fracasso de minha linguagem. Só quando falha a construção, é que obtenho o que ela não conseguiu. (1998, p. 176).

Ao se abordar imagens e palavras cumpre sublinhar a importância delas na formulação de saber, suplantando-se aquelas meramente ilustrativas. A Revista ARA FAU USP tem agregado cinema, psicanálise, filosofia, fotografia, vídeo, museologia, história, geografia, além de arte e arquitetura, entre outras linguagens voltadas ao que as une em fronteiras. Significativo neste momento de expectativas para mutações efetivas e críticas aponta esforço em se trilhar rumos desconhecidos, frestas, vias ainda não veiculadas, fronteiras, exílio e proposições para se trilhar desígnios próprios e se abrir ao coletivo.

Pretende-se com tema incentivar o criar, algo singular, de modo a se dirigir em sentido e direções opostos ao lugar comum narrado. Reconhece-se a acuidade da expressão resiliente, que pode se materializar por distintas formas, como se deseja incentivar na produção de conhecimento esperada, na edição inaugural deste ano de 2021. Constituem diretrizes tanto em submissões, quanto nos estudos do Dossiê, composto por membros do GMP, com mesmo tema e dupla análise. Desejo que cada um contribua e desvele o invisível e o indizível que nos habita!!!

Ciça, Verão, 2021.

 

Referências bibliográficas

FIEDLER, Konrad. Acerca del origen de la actividad artísticaIn: De la esencia del arte. Buenos Aires/ARG: Nueva Visión, 1987.

LISPECTOR, Clarice. A hora da estrela. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

______ A paixão segundo G.H. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

 

[1] Trecho consultado: Lo que hace que la naturaliza visible se convierta en, sin dejar por ello de ser naturaleza, es el desarrollo que, en favor de su visibilidad, se realiza en la actividad del artista”. Acerca del origen de la actividad artística.

 

Chamada aberta para submissões ARA 11 – Outro Ato: em direção ao caminho inverso – NOVO PRAZO Até 02 de agosto de 2021

OUTRO ATO Apresentação

” […] estou enfim caminhando em direção ao caminho inverso. Caminho em direção à destruição do que construí, caminho para a despersonalização” (Clarice Lispector,1998, p.173).

O tema proposto para a edição número 11 da revista ARA FAU USP, em parte homenageia Clarice Lispector, em seu centenário, daí o explicativo no título – “Outro ato: em direção ao caminho inverso” -. Excerto publicado inicialmente em 1962 na revista Senhor mantém atualidade, neste período em que se almejam transformações. Uma vez mais ARA busca estimular reflexões sobre a cultura contemporânea. A palavra ara em tupi-guarani refere-se a tempo em seu aspecto circular, ligado à natureza. Urge se opor a certa tendência focada em destruí-la. Entende-se que este elo fulcral vem sendo expresso em muitas áreas, a citar, história, artes, cultura, antropologia, filosofia, entre outras, sendo um convite transdisciplinar.

Vivencia-se um enclave em vários aspectos e com distintas interpretações, não raro ainda polarizadas, repetindo-se tantas outras que geraram fosso indesejável, tanto entre humanos, quanto destes com a natureza. Ainda assim, uma convergência reside no desejo em se alterar este período, seguindo em caminho inverso. Existem os que inquirem se a humanidade sairá melhor, após os embates relativos à Covid 19, mal causado pelo SARS-COV-2, chamado coronavírus. Decorrem de pavor e perplexidade, ante tantas vidas humanas perdidas. Igualmente há pessoas sensíveis sobre males sociais, educacionais, culturais e em esferas como habitação, trabalho, esportes, política dentro e fora do país.

Selecionou-se trecho escrito por Clarice Lispector, na revista Senhor, nomeado por “Em direção ao caminho inverso”, datada de três anos após o início da publicação (1962). A sugestão foi lembrada pelo conselheiro da revista ARA FAU USP, Celso Favaretto, após o GMP (Grupo Museu/ Patrimônio FAU USP), debater conceitos voltados ao par ato e potência, em trabalho de trocas, sempre muito proveitoso.

O presente tema invoca formular saber inédito e reflexões, em submissões por palavras e/ou imagens e movimento, fatores considerados essenciais e indispensáveis nesta revista universitária.     Vale esclarecer e reiterar: 1. o conteúdo não pode ter sido antes exibido pela autoria na íntegra e exatamente igual; ou seja, deve ser inédito, ainda em se tratando de obra do autor da Submissão; 2. importante creditar o trabalho usado de outros em várias linguagens, seja por palavras ou imagem; 3. o envio deve ser acompanhado de autorização do direito autoral firmado por todas as instâncias detentoras de imagens, tanto o artista, ou seus descentes quanto instituição a que pertence a obra; 4. caso haja mais de um autor da Submissão, justificar essa exceção.

O termo Ato emerge de ampla tradição, já na filosofia grega, ou no teatro, em particular aponta às cenas vivenciadas desde 2019 e ainda latentes neste início de 2021, transmitidas diariamente por variadas mídias, na vã ilusão de nos convencer de que tudo está sob controle. Promessas de soluções científicas entram em cena, sendo escaladas, na ilusão de recuperar certezas, esquecendo-se que estas também gravitam em hipóteses, experiências, dúvidas, intuição e razão.

Embates e desconforto contribuíram para que mitos estejam em franco descrédito, algo positivo legado pela pandemia, a gerar indagações sobre o futuro próximo. Reitere-se que práticas em presença foram oportunamente banidas em setores prioritários, mas deu-se o contrário no consumo em geral. Por outro lado, multidões viram-se obrigadas a sair para trabalhar, ou estão em situação de rua, enquanto nós outros, realizamos fazeres em casa por meio de várias telinhas e longe do espaço urbano, esvaziado e segregado.

Lispector em entrevistas revelou que ao criar o livro, “A paixão segundo G.H.” achava-se também em crise, porém no âmbito pessoal. Assim aborda a despersonalização como liberação de aspectos individuais inúteis, parecendo naturalizados, tanto que se está apegada. Ao se livrar de algumas prisões, na volta ao mínimo, cada um ainda pode se identificar como Ser, de maneira visivelmente reconhecível. A centenária escritora afirma no texto referido:

A despersonalização como a destituição do individual inútil – a perda de tudo o que se possa perder e, ainda assim, ser. Pouco a pouco tirar de si, com um esforço tão atento que não se sente a dor, tirar de si, como quem se livra da própria pele, as características. (1962, p.20).

O trecho citado comporá o livro “A paixão segundo G.H.”, um dos mais intrigantes e que sairá editado dois anos depois (1964). Em síntese, desenha e dá fala a uma escultora, nomeada apenas pelas iniciais e residente em elegante apartamento de cobertura. Após a saída da empregada dispõe-se a organizar, arrumar, enfim formatar à sua maneira o espaço doméstico para reintegrá-lo à própria direção. Dentro de linguagem exponencial, enquadra visualidade, reflexão, tempo e espaço de forma poética, com rimas e repetições enfáticas.

Lispector no romance cria imagens em contrastes, entre a artista e a trabalhadora: escultora, única personagem em presença; fala em primeira pessoa; reside em amplo espaço, povoado por objetos; veste robe branco; desfruta de liberdade e em sua atividade laboral, capacitando-a a discorrer sobre a linguagem. Já a empregada aparece em ausência física; realiza árduo trabalho, inviabiliza-se em desejos, enigmas e razões; viveu em micro espaço, agora vazio; descreve-a, como negra, vestida de negro; confinada, sem diálogo ou trocas, fatores reveladores de mais um entre os vários fossos sociais.

Expressa o lado preconceituoso da personagem G.H., como fará depois com Macabea em “A hora da estrela” (1977), outra dessas figuras com invisibilidade social e vida precarizada. Neste classifica sua principal ajudante, como incompetente para a vida (Lispector, 1999, p.24). No texto em exame, ao se dirigir ao quarto da trabalhadora, espécie de avesso da casa, antevê o que acharia na área antes ocupada por Janair. Seria uma alusão a Jano, divindade com duas cabeças, guardião romano? Ela faria esse ato protetor?

G.H. pensa, por certo haverá desorganização, material empilhado, vermelho desbotado em manchas no colchão roto, restos de vida, indícios de outra classe social, pedaços de luta, solidão e abandono. Esta situação contrasta com o que perseguia, ou seja, obsessão por beleza, higiene e ordem. Entretanto, ao adentrar no recinto, surpresas: reinam aparente vazio e limpeza, como escreve, quase hospitalar. Observa apenas suas próprias malas com as iniciais misteriosas e certa claridade, a incidir no espaço, quase imaculado. Ao visualizar o armário, sobressalto – um inseto refugiara-se ali. Desde este instante, sucede-se uma série de interações com a alteridade, em campos, a abranger simbólico, psíquico, social, político, uma viagem às próprias vísceras, algo mágico, a arrebatar o leitor.

Tenta fugir e ao mexer na porta, nova perplexidade, defronta-se com três vultos desenhados a carvão, na parede, que ensejam questões sobre o fazer artístico. Vale sublinhar que Lispector sempre surpreende e introduz o inesperado, o imprevisível, o não mimético. Após inusitadas experiências, próprias da linguagem na cultura artística, em dado momento, desfaz-se de coisas, denominadas inúteis, parecendo espelhar o contorno nu das figuras desenhadas – ou designadas- naquele quarto. Por meio do olhar, G.H. se apossa de detalhes, antes invisíveis, embora em seu cotidiano. Menciona então a existência de um terceiro apoio, quem sabe mais uma perna, que travaria sua caminhada, mas, por outro lado traria maior equilíbrio.

Perdi alguma coisa que me era essencial, e que já não me é mais. Não me é necessária, assim como se eu tivesse perdido uma terceira perna que até então me impossibilitava de andar, mas que fazia de mim um tripé estável […]. Sei que somente com duas pernas é que posso caminhar. Mas a ausência inútil da terceira me faz tanta falta e me assusta, era ela que fazia de mim uma coisa encontrável por mim mesma, e sem sequer precisar me procurar. (LISPECTOR, 1998, p.11-12).

A linguagem que propicia emergir seu lado natureza, a par de invisível, indizível e o insólito se constata, em inúmeros períodos e criadores, cito Konrad Fiedler[1] no Século XIX. “O que faz a natureza visível se converter em arte, sem deixar de ser natureza, é o desenvolvimento que, em favor de sua visibilidade, se realiza a atividade artística”. (1987, p.66.Trad. A.). A arte de Lispector caminha entre o dizível e seu oposto, a permear sua linguagem, referenciando-se também na cultura judaico-cristã, ou seja, ao se nomear, não se esquece o ausente. Note-se também o uso de travessões, no início e final do livro provavelmente ênfases.

Eu tenho à medida que designo__ e este é o esplendor de se ter uma linguagem. Mas eu tenho muito mais à medida que não consigo designar. A realidade é a matéria-prima, a linguagem é o modo como vou buscá-la __ e como não acho. Mas é do buscar e não achar que nasce o que eu não conhecia, e que insistentemente reconheço. A linguagem é o meu esforço humano. Por destino tenho que ir buscar e por destino volto com as mãos vazias. Mas __ volto com o indizível. O indizível só me poderá ser dado através do fracasso de minha linguagem. Só quando falha a construção, é que obtenho o que ela não conseguiu. (1998, p. 176).

Ao se abordar imagens e palavras cumpre sublinhar a importância delas na formulação de saber, suplantando-se aquelas meramente ilustrativas. A Revista ARA FAU USP tem agregado cinema, psicanálise, filosofia, fotografia, vídeo, museologia, história, geografia, além de arte e arquitetura, entre outras linguagens voltadas ao que as une em fronteiras. Significativo neste momento de expectativas para mutações efetivas e críticas aponta esforço em se trilhar rumos desconhecidos, frestas, vias ainda não veiculadas, fronteiras, exílio e proposições para se trilhar desígnios próprios e se abrir ao coletivo.

Pretende-se com tema incentivar o criar, algo singular, de modo a se dirigir em sentido e direções opostos ao lugar comum narrado. Reconhece-se a acuidade da expressão resiliente, que pode se materializar por distintas formas, como se deseja incentivar na produção de conhecimento esperada, na edição inaugural deste ano de 2021. Constituem diretrizes tanto em submissões, quanto nos estudos do Dossiê, composto por membros do GMP, com mesmo tema e dupla análise. Desejo que cada um contribua e desvele o invisível e o indizível que nos habita!!!

Ciça, Verão, 2021.

Referências bibliográficas

FIEDLER, Konrad. Acerca del origen de la actividad artísticaIn: De la esencia del arte. Buenos Aires/ARG: Nueva Visión, 1987.

LISPECTOR, Clarice. A hora da estrela. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

______ A paixão segundo G.H. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

[1] Trecho consultado: Lo que hace que la naturaliza visible se convierta en, sin dejar por ello de ser naturaleza, es el desarrollo que, en favor de su visibilidad, se realiza en la actividad del artista”. Acerca del origen de la actividad artística.

REVISTA ARA 10 disponível e Chamada aberta para ARA 11

PARA ACESSO DA EDIÇÃO COMPLETA ACESSE AQUI

Chamada aberta para submissões ARA 11 – Outro Ato: em direção ao caminho inverso – Até 10 de junho de 2021

OUTRO ATO

Apresentação

” […] estou enfim caminhando em direção ao caminho inverso. Caminho em direção à destruição do que construí, caminho para a despersonalização” (Clarice Lispector,1998, p.173).


O tema proposto para a edição número 11 da revista ARA FAU USP, em parte homenageia Clarice Lispector, em seu centenário, daí o explicativo no título – “Outro ato: em direção ao caminho inverso” -. Excerto publicado inicialmente em 1962 na revista Senhor mantém atualidade, neste período em que se almejam transformações. Uma vez mais ARA busca estimular reflexões sobre a cultura contemporânea. A palavra ara em tupi-guarani refere-se a tempo em seu aspecto circular, ligado à natureza. Urge se opor a certa tendência focada em destruí-la. Entende-se que este elo fulcral vem sendo expresso em muitas áreas, a citar, história, artes, cultura, antropologia, filosofia, entre outras, sendo um convite transdisciplinar.

Vivencia-se um enclave em vários aspectos e com distintas interpretações, não raro ainda polarizadas, repetindo-se tantas outras que geraram fosso indesejável, tanto entre humanos, quanto destes com a natureza. Ainda assim, uma convergência reside no desejo em se alterar este período, seguindo em caminho inverso. Existem os que inquirem se a humanidade sairá melhor, após os embates relativos à Covid 19, mal causado pelo SARS-COV-2, chamado coronavírus. Decorrem de pavor e perplexidade, ante tantas vidas humanas perdidas. Igualmente há pessoas sensíveis sobre males sociais, educacionais, culturais e em esferas como habitação, trabalho, esportes, política dentro e fora do país.

Selecionou-se trecho escrito por Clarice Lispector, na revista Senhor, nomeado por “Em direção ao caminho inverso”, datada de três anos após o início da publicação (1962). A sugestão foi lembrada pelo conselheiro da revista ARA FAU USP, Celso Favaretto, após o GMP (Grupo Museu/ Patrimônio FAU USP), debater conceitos voltados ao par ato e potência, em trabalho de trocas, sempre muito proveitoso.

O presente tema invoca formular saber inédito e reflexões, em submissões por palavras e/ou imagens e movimento, fatores considerados essenciais e indispensáveis nesta revista universitária.     Vale esclarecer e reiterar: 1. o conteúdo não pode ter sido antes exibido pela autoria na íntegra e exatamente igual; ou seja, deve ser inédito, ainda em se tratando de obra do autor da Submissão; 2. importante creditar o trabalho usado de outros em várias linguagens, seja por palavras ou imagem; 3. o envio deve ser acompanhado de autorização do direito autoral firmado por todas as instâncias detentoras de imagens, tanto o artista, ou seus descentes quanto instituição a que pertence a obra; 4. caso haja mais de um autor da Submissão, justificar essa exceção.

O termo Ato emerge de ampla tradição, já na filosofia grega, ou no teatro, em particular aponta às cenas vivenciadas desde 2019 e ainda latentes neste início de 2021, transmitidas diariamente por variadas mídias, na vã ilusão de nos convencer de que tudo está sob controle. Promessas de soluções científicas entram em cena, sendo escaladas, na ilusão de recuperar certezas, esquecendo-se que estas também gravitam em hipóteses, experiências, dúvidas, intuição e razão.

Embates e desconforto contribuíram para que mitos estejam em franco descrédito, algo positivo legado pela pandemia, a gerar indagações sobre o futuro próximo. Reitere-se que práticas em presença foram oportunamente banidas em setores prioritários, mas deu-se o contrário no consumo em geral. Por outro lado, multidões viram-se obrigadas a sair para trabalhar, ou estão em situação de rua, enquanto nós outros, realizamos fazeres em casa por meio de várias telinhas e longe do espaço urbano, esvaziado e segregado.

Lispector em entrevistas revelou que ao criar o livro, “A paixão segundo G.H.” achava-se também em crise, porém no âmbito pessoal. Assim aborda a despersonalização como liberação de aspectos individuais inúteis, parecendo naturalizados, tanto que se está apegada. Ao se livrar de algumas prisões, na volta ao mínimo, cada um ainda pode se identificar como Ser, de maneira visivelmente reconhecível. A centenária escritora afirma no texto referido:

A despersonalização como a destituição do individual inútil – a perda de tudo o que se possa perder e, ainda assim, ser. Pouco a pouco tirar de si, com um esforço tão atento que não se sente a dor, tirar de si, como quem se livra da própria pele, as características. (1962, p.20).

O trecho citado comporá o livro “A paixão segundo G.H.”, um dos mais intrigantes e que sairá editado dois anos depois (1964). Em síntese, desenha e dá fala a uma escultora, nomeada apenas pelas iniciais e residente em elegante apartamento de cobertura. Após a saída da empregada dispõe-se a organizar, arrumar, enfim formatar à sua maneira o espaço doméstico para reintegrá-lo à própria direção. Dentro de linguagem exponencial, enquadra visualidade, reflexão, tempo e espaço de forma poética, com rimas e repetições enfáticas.

Lispector no romance cria imagens em contrastes, entre a artista e a trabalhadora: escultora, única personagem em presença; fala em primeira pessoa; reside em amplo espaço, povoado por objetos; veste robe branco; desfruta de liberdade e em sua atividade laboral, capacitando-a a discorrer sobre a linguagem. Já a empregada aparece em ausência física; realiza árduo trabalho, inviabiliza-se em desejos, enigmas e razões; viveu em micro espaço, agora vazio; descreve-a, como negra, vestida de negro; confinada, sem diálogo ou trocas, fatores reveladores de mais um entre os vários fossos sociais.

Expressa o lado preconceituoso da personagem G.H., como fará depois com Macabea em “A hora da estrela” (1977), outra dessas figuras com invisibilidade social e vida precarizada. Neste classifica sua principal ajudante, como incompetente para a vida (Lispector, 1999, p.24). No texto em exame, ao se dirigir ao quarto da trabalhadora, espécie de avesso da casa, antevê o que acharia na área antes ocupada por Janair. Seria uma alusão a Jano, divindade com duas cabeças, guardião romano? Ela faria esse ato protetor?

G.H. pensa, por certo haverá desorganização, material empilhado, vermelho desbotado em manchas no colchão roto, restos de vida, indícios de outra classe social, pedaços de luta, solidão e abandono. Esta situação contrasta com o que perseguia, ou seja, obsessão por beleza, higiene e ordem. Entretanto, ao adentrar no recinto, surpresas: reinam aparente vazio e limpeza, como escreve, quase hospitalar. Observa apenas suas próprias malas com as iniciais misteriosas e certa claridade, a incidir no espaço, quase imaculado. Ao visualizar o armário, sobressalto – um inseto refugiara-se ali. Desde este instante, sucede-se uma série de interações com a alteridade, em campos, a abranger simbólico, psíquico, social, político, uma viagem às próprias vísceras, algo mágico, a arrebatar o leitor.

Tenta fugir e ao mexer na porta, nova perplexidade, defronta-se com três vultos desenhados a carvão, na parede, que ensejam questões sobre o fazer artístico. Vale sublinhar que Lispector sempre surpreende e introduz o inesperado, o imprevisível, o não mimético. Após inusitadas experiências, próprias da linguagem na cultura artística, em dado momento, desfaz-se de coisas, denominadas inúteis, parecendo espelhar o contorno nu das figuras desenhadas – ou designadas- naquele quarto. Por meio do olhar, G.H. se apossa de detalhes, antes invisíveis, embora em seu cotidiano. Menciona então a existência de um terceiro apoio, quem sabe mais uma perna, que travaria sua caminhada, mas, por outro lado traria maior equilíbrio.

Perdi alguma coisa que me era essencial, e que já não me é mais. Não me é necessária, assim como se eu tivesse perdido uma terceira perna que até então me impossibilitava de andar, mas que fazia de mim um tripé estável […]. Sei que somente com duas pernas é que posso caminhar. Mas a ausência inútil da terceira me faz tanta falta e me assusta, era ela que fazia de mim uma coisa encontrável por mim mesma, e sem sequer precisar me procurar. (LISPECTOR, 1998, p.11-12).

A linguagem que propicia emergir seu lado natureza, a par de invisível, indizível e o insólito se constata, em inúmeros períodos e criadores, cito Konrad Fiedler[1] no Século XIX. “O que faz a natureza visível se converter em arte, sem deixar de ser natureza, é o desenvolvimento que, em favor de sua visibilidade, se realiza a atividade artística”. (1987, p.66.Trad. A.). A arte de Lispector caminha entre o dizível e seu oposto, a permear sua linguagem, referenciando-se também na cultura judaico-cristã, ou seja, ao se nomear, não se esquece o ausente. Note-se também o uso de travessões, no início e final do livro provavelmente ênfases.

Eu tenho à medida que designo__ e este é o esplendor de se ter uma linguagem. Mas eu tenho muito mais à medida que não consigo designar. A realidade é a matéria-prima, a linguagem é o modo como vou buscá-la __ e como não acho. Mas é do buscar e não achar que nasce o que eu não conhecia, e que insistentemente reconheço. A linguagem é o meu esforço humano. Por destino tenho que ir buscar e por destino volto com as mãos vazias. Mas __ volto com o indizível. O indizível só me poderá ser dado através do fracasso de minha linguagem. Só quando falha a construção, é que obtenho o que ela não conseguiu. (1998, p. 176).

Ao se abordar imagens e palavras cumpre sublinhar a importância delas na formulação de saber, suplantando-se aquelas meramente ilustrativas. A Revista ARA FAU USP tem agregado cinema, psicanálise, filosofia, fotografia, vídeo, museologia, história, geografia, além de arte e arquitetura, entre outras linguagens voltadas ao que as une em fronteiras. Significativo neste momento de expectativas para mutações efetivas e críticas aponta esforço em se trilhar rumos desconhecidos, frestas, vias ainda não veiculadas, fronteiras, exílio e proposições para se trilhar desígnios próprios e se abrir ao coletivo.

Pretende-se com tema incentivar o criar, algo singular, de modo a se dirigir em sentido e direções opostos ao lugar comum narrado. Reconhece-se a acuidade da expressão resiliente, que pode se materializar por distintas formas, como se deseja incentivar na produção de conhecimento esperada, na edição inaugural deste ano de 2021. Constituem diretrizes tanto em submissões, quanto nos estudos do Dossiê, composto por membros do GMP, com mesmo tema e dupla análise. Desejo que cada um contribua e desvele o invisível e o indizível que nos habita!!!

Ciça, Verão, 2021.

Referências bibliográficas

FIEDLER, Konrad. Acerca del origen de la actividad artísticaIn: De la esencia del arte. Buenos Aires/ARG: Nueva Visión, 1987.

LISPECTOR, Clarice. A hora da estrela. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

______ A paixão segundo G.H. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

[1] Trecho consultado: Lo que hace que la naturaliza visible se convierta en, sin dejar por ello de ser naturaleza, es el desarrollo que, en favor de su visibilidad, se realiza en la actividad del artista”. Acerca del origen de la actividad artística.

REVISTA ARA 10 está no prelo

A Equipe Editorial da REVISTA ARA anuncia em breve o lançamento da edição Revista ARA 10 e a chamada para a nova edição ARA 11.

O tema da Revista ARA10  nos convidou a pensar em três palavras, sem considerar hierarquia de importância ou significado entre elas: Experiência, Sintoma e Fresta. Criar, observar, escrever, fotografar refletindo o tempo presente expandido, considerando o tempo passado e o tempo futuro.

Chamada Aberta para Revista ARA 10 • Experiência Sintoma Fresta

Featured

NOVA DATA LIMITE PARA SUBMISSÃO 19 DE OUTUBRO DE 2020

 

O tema da Revista ARA, em sua 10 edição, nos convida a pensar em três
palavras, sem considerar hierarquia de importância ou significado
entre elas: Experiência, Sintoma e Fresta. Criar, observar, escrever, fotografar
refletindo o tempo presente expandido, considerando o tempo passado e o
tempo futuro. Até 21 de setembro 2020 19 de outubro (nova data) estaremos recebendo artigos, ensaios, fotos,
desenhos e o que mais surgir para o próximo número, a ser lançado em 2021.

Atravessamos o desconhecido, em meio à viagem sem ponto ou momento de
parada definidos, passamos por lugares onde perigos podem nos assaltar e a
única certeza é que seremos surpreendidos. Experiência, em alemão Erfahrung
(erf-fahrung, s.f.), do verbo fahren, significa viajar, atravessar, dirigir, e do
latim experientia, tentativa, prova, ensaio. A palavra experiência traz
incorporada a ideia de alargar a nossa condição no mundo, pela tentativa e
erro, sugerindo o tatear, viver e refletir sobre o vivido. Constituímos um
desenvolvimento técnico que nos permite entender o que se passa e visualizar
o futuro. Estávamos num cotidiano extremamente acelerado, indivíduos em
tempos desiguais, quando fomos forçados a aterrissar no continente do
ciberespaço. O isolamento provocado pela pandemia do COVID 19 inseriu
definitivamente a telepresença em nossas vidas, somando parte do presente
midiático e ecos do tempo real. Nas grandes cidades, os que estavam
acelerados e se deslocavam rápido para produzir mais, hoje se isolaram em
suas casas, abrindo literalmente o espaço das ruas aos que agora precisam se
deslocar loucamente acelerados para produzir a mínima subsistência.

Confira chamada na Integra acesse aqui.